Cachoeira, Demóstenes e as CPIs

O governo federal, e os governos do Estado do Rio de Janeiro e de Goiás se “assustaram”, e vão auditar os contratos com a Delta Engenharia. Tenho grande desconfiança de que não precisam fazer isso, ou seja, de que as auditorias já tenham sido feitas pelos Tribunais de Contas, e as irregularidades identificadas. Seria necessário apenas pegar os relatórios dos auditores – não apenas as decisões dos tribunais – e verificar o que aconteceu. Pode até ser que o TCU, por exemplo, nunca tenha auditado um contrato da Delta, ou, se tiver feito isso, que não tenha identificado nenhuma irregularidade. Vou deixar de fazer essa pesquisa no site do TCU porque conhecendo meus colegas da secretaria de obras do TCU, e a qualidade do trabalho desenvolvido por eles, tenho certeza de que se eles tiveram a oportunidade de fazer o trabalho, identificaram diversas irregularidades.

Cachoeira é uma figura um tanto folclórica, e parece não se importar com holofotes. Brasil afora, existem milhares de cachoeiras, que levam embora o dinheiro público, por meio de licitações fraudulentas e a execução dos contratos delas decorrentes com irregularidades sem fim. A maior parte deles, no entanto, atua sem deixar rastros, longe da mídia, ocultos as vezes em ambientes tão despretensiosos que causariam surpresa ao cidadão desavisado.

Demóstenes é o polo político partidário do esquema criminoso. Enganou os desavisados com aquela postura moralista tão conhecida em nossa política. Mas, pelo jeito, não vai escapar da CPI e da cassação. Engraçado é que a CPI da privataria tucana parou no meio do caminho… o que houve com ela? Porque parou, parou porque?

CPIs são a delícia da imprensa. Que a da privataria tucana não tenha seguida em frente me interessa de maneira particular. Talvez não fosse do interesse da grande mídia, que, segundo Nassif e similares, é toda do PSDB. Mas, se isso faz algum sentido, seria somente esse motivo para que a comissão não fosse instalada? Não creio. Fico assustado com a desconfiança que tenho de que aquela CPI, por algum motivo, não interessava a ninguém.

Meu tema é o mesmo de sempre: essa política que temos, os partidos que temos, diferem pouquíssimo uns dos outros. Pouquíssimo. E, não param de querer nos fazer acreditar que uns são demônios e outros são anjos. Há muito pouca diferença no modus operandi de Demóstenes e Agnello, por exemplo.

Voto pela instalação da CPI Brasil. Entre as palavras de ordem da marcha de hoje uma machucava mais: …….. o Congresso é a vergonha do Brasil. Muito desanimador. Convoco pessoas lúcidas a romper com o maniqueísmo idiota da política brasileira para sonhar uma política que se preocupe com duas questões principais: a democracia efetivamente participativa e a total transparência e controle sobre as contras de campanha. Vamos tentar começar por aí.

Nassif e cia.

Os comentaristas políticos de esquerda, dentre os quais a estrela mais brilhante talvez seja o Nassif, têm três pontos em sua agenda:

1. Provar que FHC foi fez governo pior e mais corrupto do que Lula.

2. Provar que o PSDB e seus políticos são piores e mais corruptos do que o PT e seus políticos.

3. Provar que os bandidos de direita são piores e mais corruptos do que os bandidos de esquerda.

Essa agenda ridícula e estreita alimenta a mídia brasileira continuamente. Nassif acaba de provar que o caso Demóstenes é a prova viva de que a direita é o quinto dos infernos, e carrega a grande mídia consigo. Seria muito bom se, ao mesmo tempo, ele estivesse demonstrando que a esquerda é o oposto. Infelizmente, não tem como fazer isso.

Será que em nosso país, estaremos sempre relegados à escolha entre o ruim e o pior? E, ainda mais, sem nem mesmo conseguir identificar qual é qual? Veja-se o caso de Brasília: votamos no Agnello em aliança com o Filipelli porque ele seria o ruim diante da Roriz que seria o pior. Será? Não dá para saber, de tão mal que Agnello está indo.

E, ainda temos que aguentar esse debate infantil sobre quem é pior. Acho que o pior é quem defende um porque é contra o outro. Comentaristas como Nassif, que criam inúmeros argumentos sem sentido algum para chegar a essa grande conclusão: eles são os piores.

Lamentável verificar que o melhor que podemos fazer é tentar identificar quem é o ruim e quem é o pior.